Cristiano Mariotti

ESCOLHAS PARA O BEM-VIVER!

Romário e Vasco

Enfim, chegou ao final a batalha jurídica entre ambas as partes. De tantas incertezas, uma coisa é correta: terminou da forma como haveria de terminar. Simples assim: o Vasco na gestão Roberto sempre contestou essa dívida, mas procedeu de forma errada ao retirar puro e simplesmente o registro do balanço sem, primeiro, averiguar sua veracidade em juízo. Romário, então, depois de tanto esperar pelo reconhecimento por vias que não fossem jurídicas, decidiu recorrer aos tribunais, e quase inviabilizou ao Vasco. Causou prejuízos financeiros e que interferiram na parte técnica do time de futebol ao final do ano passado e o estrago poderia ser bem pior.

No final, deu aquilo que a maioria já supunha: o clube não conseguiu provar o contrário (que a dívida não existia ou que, se existia, não era bem do clube) e ficou somente a sensação de que tentou-se (e conseguiu-se) ganhar tempo sobre algo que seria perdido ao longo do tempo. Papo encerrado e, agora, mais quatro milhões de reais (além do que se supostamente era a dívida até 2008) para o Almirante pagar mensalmente ao longo de dez anos. Como eu costumo dizer, o melhor negócio é aquele em que ambas as partes fingem que se enganam na esperança de que o estrago não seja maior para ambas. Romário finge confiar em um clube “devedor costumaz” (segundo a própria justiça) e que já ignorou sua suposta dívida por um tempo na esperança de receber algum. O Vasco finge aceitar o reconhecimento dessa dívida para evitar rombos bem maiores, por não ter a mesma convicção de outrora sobre a veracidade dessa dívida e por não ter advogados competentes no clube, hoje, como o que o Baixinho contratou (segundo deixou nas entrelinhas o próprio VP Jurídico atual).

Portanto, segue a vida porque os problemas do Vasco, infelizmente, são MUITO maiores do que cento e cinquenta mil reais mensais para o ex-atacante e, agora, beneficiário do Vasco por uma década. Pelo menos, no papel...

Anníbal Rouxinol

“Se eu digo que Romário não tem documentos que comprovem a dívida, se essa sempre foi minha tese, como vou aceitar fazer um acordo agora? Seria a desmoralização do escritório (Marcelo Macedo) que contratei”. (Entrevista ao jornal Extra On Line em 26 de fevereiro de 2013).

Sobre sua declaração horas antes da audiência, uma sõ colocação: se não existisse realmente nenhuma possibilidade de acordo, que o referido VP não desse uma declaração forte dessa natureza e logo para uma mídia de tamanha repercussão que é o Extra. Dessa forma, independentemente de lhe considerar capaz ou não para continuar no cargo, não vejo mais ambiente para que permaneça. Particularmente, considero que seria a hora correta para retirar-se e dar a vez para outro, menos desgastado e, inclusive, até mais capaz de liderar a um departamento problemático dentro do clube faz MUITO tempo.

Falando de futebol...

Segundo notícias veiculadas na coluna “Futebol, coisa & tal” de hoje, Éder Luís poderia estar indo para o Palmeiras. Maikon Leite poderia chegar como substituto. De minha parte, penso ser um ótimo negócio: Maikon Leite é mais jovem, mais habilidoso e anda perdido na mediocridade que é o time alviverde do Palestra Itália atual. Éder Luís perdeu o pouco de seu futebol faz tempo, e sinceramente, não lhe sinto motivado a continuar no Vasco, tal como Maikon Leite no Palmeiras. Uma oxigenação de ares para ambas as partes seria muito boa para ambos os atletas e para os clubes também. Se o Vasco ainda conseguisse se livrar, nessa transação, de parte de sua dívida contraída junto ao Benfica pela compra dos direitos econômicos de Éder Luís, melhoraria mais ainda.

Com o acréscimo de Juninho (lateral-esquerdo do time paulistano) nessa transação, ainda seria uma aposta a mais para termos, finalmente, um lateral-esquerdo depois de tanto tempo. Mais uma aposta, por sinal, dentre tantas como foram Ramón, Márcio Careca, Thiago Feltri, Dieyson e, em um futuro próximo, Yotún. Enfim, aguardemos pelo desenrolar dos fatos.

Com relação ao jogo do próximo sábado: a grande dúvida não é a escalação do time, e sim, sua postura e seu padrão tático. Principalmente, o último. Ao passo que o Flamengo, por exemplo com Dorival Júnior, treinou na última terça-feira (ontem) em tempo integral, o Vasco ficou somente na academia. No sábado que antecedeu ao jogo entre Vasco vs Audax, o time treinou em menos de duas horas e, quando encontrei-me com Carol Canoa, Dani Torres e Daniel Freitas em São Januário, o treino já havia terminado e nem eram 10 horas da manhã. Nesses exemplos, talvez comecemos a justificar o porquê de um time ser líder disparado da competição em pontos ganhos e o outro padecer, ainda, do individualismo de suas peças chaves para se classificar, em que pese o agravo de ser um time considerado fraco por muitos e em formação ainda. Fraco, especialmente, em seu setor defensivo, com zagueiros em má forma técnica e volantes pessimamente posicionados, tal como se viu perante o Duque d Caxias, no último domingo.

Considerando que vai enfrentar ao Fluminense (time de melhor plantel do Rio de Janeiro), mesmo com o adversário em teoria cansado por uma viagem ao Chile, com retrospectos positivos sobre esse rival nas últimas duas décadas e com a vantagem do empate, ainda assim o perigo habita na desorganização de um protótipo em campo e na postura de tentar, supostamente, começar o jogo retraído. Vale a lembrança não tão distante de títulos e classificações perdidas por fazer do empate o objetivo e terminar o jogo derrotado. Portanto, o mínimo de coerência para se esquecer tal vantagem ao longo do jogo é primordial, bem como jogar futebol, se espelhando no jogo de estreia da temporada de preferência. Contar com a boa vontade de Carlos Alberto e com Bernardo nos momentos em que resolve decidr, que são hoje a força ofensiva desse time e cujo último – ainda que com seus problemas – não pode ficar de fora.

Toque final

Confesso-lhes que me sinto exausto nos últimos tempos. Não é papo de “coitadinho” e nem “estória para boi dormir”: é a realidade. Graças a DEUS, aos amigos que me ajudaram e a mim, também, consegui abrir caminhos para a divulgação de minhas ideias sobre Vasco nas mídias pela Internet e pelo rádio também. Agradeço MUITO de coração ao André Pedro do WebVasco, ao Daniel Ferreira e ao Renner Monnerat do SempreVasco, a Jessica Corais e ao Elisvaldo do SuperVasco, ao José Carlos Prata da Gang do Bacalhau, ao Márcio Santos do Só Dá Vasco, e às diversas pessoas que me ajudaram a encontrá-las e que reconheceram em mim valor suficiente para falar sobre Vasco, de forma democrática, lisa e respeitosa! No entanto, sinto que uma hora meu ciclo poderá, abreviadamente, chegar ao fim. Não sei quando, mas poderá. O Vasco cansa, desgasta, a luta por um clube melhor sem partidarismo e somente pensando no Vasco parece inglória! E o pior: tendo em NÓS MESMOS como PRINCIPAIS RIVAIS!

Enfim, independentemente de minha vontade de prosseguir nessa “trincheira” no futuro ou não, agradeço demais aos que me acompanham, aos que sentem seriedade em minhas palavras, mesmo carregando para muitos “a mancha” (?!) de ter pertencido a um grupo político sem, no entanto, BENEFICIAR-ME desse artifício para conseguir algo dentro do Vasco, ao contrário do que alguns podem pensar por me desconhecer! No final, o Vasco é maior do que todos nós e o dia em que tivermos essa consciência, teremos o clube que sonhamos tanto!

 

Acompanhem-me, também, pelo www.webvasco.com e pelo www.semprevasco.com  além da Rádio Mitos da Colina em www.radiomitosdacolina.com.br em parceria com o programa "Só dá Vasco", do companheiro vascaíno Márcio Santos!

Cristiano Mariotti

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Sigam-me pelo Twitter: @crismariottirj

 

cristianomariottiMestre em Ciências em Sistemas Computacionais, Consultor e Professor em TI, é colunista do portal supervasco.com. Carioca de família portuguesa, nascido e criado em Jacarepaguá, adotou São Januário como segundo lar e leva a cruz-de-malta no peito desde que nasceu.

Gostou? Então compartilhe!

Quem está nos visitando