Prof. Luiz Carlos Rocha

17 MINUTOS E UM DESTINO!

 

 

            Quem disse que camisa não ganha jogo é porque não entende nada de futebol. O peso desta indumentária se dá de acordo com as tradições do clube. O que não falta ao Vasco da Gama é história. Perdendo por 1 a 0 até os 28 minutos da etapa complementar o Gigante da Colina virou o placar diante do Duquer de Caxias, com gols de Bernardo, em Macaé e se classificou em primeiro lugar no Grupo A. Charles Chad descontou.

Com o resultado, jogaremos por empate contra o Fluminense, no próximo sábado, no Engenhão, às 18h30m, em partida válida pelas semifinais da Taça Guanabara, primeiro Turno do Campeonato Carioca, versão 2013. A velha máxima já dizia: “O Vasco é o time da virada, o Vasco é o time do amor!” Que venha o Florminense!

Até os 28 minutos do segundo tempo, percebi que o semblante do torcedor cruzmaltino era tenso. Não era para menos, pois ser derrotado por uma equipe fraca, que está na última posição da tabela do Grupo B é no mínimo humilhação. Vi colegas da imprensa que não tem noção da força vascaína  dizer que era certo o time da Baixada Fluminense vencer. Mas a vontade do grupo, o incentivo da massa e o clássico peso do manto sagrado mais bonito do universo fez com que o destino fosse alterado em apenas 17 minutos.

Bernardo o nome do jogo. Bernardo que tem como significado de seu nome forte como um urso mostrou a força de uma instituição centenária. Sua numerologia são destino (5), personalidade (2) e alma (3).  Não restou nenhuma dúvida aos torcedores mais místicos de que Bernardo será o cara em 2013.  O Vasco precisa dele no plantel para buscar o tão sonhado pentacampeonato no Brasileirão. É o destino. Mostrou muita personalidade ao marcar os dois gols importantíssimos hoje. É nítida a identificação do meia com o time, tem a alma vascaína. Na minha opinião o meio de campo do Gigante terá de ser Bernardo e mais 3. E não se fala mais nisso.

Além de marcar aos 28 e 33 minutos do tempo regulamentar final, o camisa 31 cobrou uma falta que foi praticamente um tiro. Pegou na trave. Driblou, deu passes, ajudou os companheiros. Enfim, foi um líder em campo. Só mesmo um treinador enlouquecido – negativamente – como o Gaúcho pode colocar Bernardo na reserva. Não é de se espantar. Afinal, ele (Gaúcho) ainda insiste em colocar Fillipe Bastos para jogar. O pior de tudo foi substituir Pedro Ken.  Renato Silva é outro que sequer pode ser gandula. Em toda partida ele faz uma besteira e compromete o Vasco. Algumas conseguimos corrigir o erro e ganhar o jogo, outras não.

Não é porque o Vasco chegou à semifinal aos trancos e barrancos que temos um bom elenco e que nosso treinador é ótimo. Pelo contrário. O grupo é fraco e o comandante é um náufrago. Se conseguimos a classificação foi por mérito de valores individuais e “bizus” do Ricardo Gomes para o aprendiz Gaúcho. Acho que a torcida tem todo o direito de protestar por um time mais dígino e sobretudo, por um clube mais forte, com uma diretoria mais atuante. Um presidente com aquilo mais roxo! Essa semana as torcidas organizadas do Vasco protestaram com toda a razão e tem meu total apoio. Sempre defenderei o torcedor, desde que é claro que as manifestações sejam pacíficas (sem violência) e estejam dentro do contexto da razão. Roberto Bombinha tem o dever de no mínimo dar o título de campeão carioca ao Vasco esse ano. Não é difícil senhor presidente. Na hora das contratações vide Bernardo como espelho. Na hora do veto do vínculo futebolístico, e principalmente na dispensa dos jogadores a figura a ser observada é o Fillipe Bastos, mas se preferir pode ver também o Renato Silva.

 

APÓS AS TODAS AS PARTIDAS DO VASCÃO EM MEU PERFIL DO FACEBOOK (QUEM QUISER RECEBER AS CRÔNICAS DE PRIMEIRA MÃO É SÓ ME ADICIONAR), E NOS SITES WEBVASCO (www.webvasco.com), VASCAÍNOS UNIDOS (www.vascainosunidos.com.br) E VASCOLINA (www.vascolina.tk) TEM A OPINIÃO DO JORNALISTA LUIZ CARLOS ROCHA. LEIAM! COMPARTILHEM E CURTAM! VASCAÍNOS UNIDOS JAMAIS SERÃO VENCIDOS. 

 

luizcarlosrochaO Prof. Luiz Carlos Rocha é o Jornalista responsável pelo Webvasco.com (26153 MTB/RJ) com pós-graduação em jornalismo esportivo, além de ser Fotógrafo profissional. Entre sua vasta experiência profissional, estão a Revista Amiga e o Jornal dos Sports. Você pode encontrá-lo no Facebook clicando aqui!

 



         Em apenas três parágrafos vou resumir a crônica de hoje. Aos vinte e TRÊS dias do mês de janeiro de 2013 o Vasco recebeu em São Januário o Macaé e venceu a partida por 4 a 2, com gols de Bernardo, Carlos Alberto, André Ribeiro e Dedé. Descontaram Michel e Anderson Costa. A mudança de postura vascaína não está no comando da equipe, pois como já afirmei mais de TRÊS vezes, Gaúcho não é um treinador para equipe principal do Gigante da Colina. Mas os resultados começaram a aparecer pelo trabalho da TRINCA Renê Simões, Mauro Galvão e Ricardo Gomes. A última vez que conquistou o Campeonato Carioca foi em 2003. Diante do futebol apresentado nas últimas TRÊS partidas (a despedida de Pedrinho, o jogo passado na vitória por 3 a 0 sobre o Boavista e hoje) o cruzmaltino é um dos TRÊS candidatos ao título, isto, porque, sempre torço para o time dos excluídos não ganhar nada!

         O jogo que começou com exatos TRÊS minutos de atraso parecia que era uma visão. Depois de TRÊS tentativas pelo lado esquerdo, o Macaé enfim conseguiu abrir o placar com Michel, aos 15 (que é múltiplo de 3) minutos da etapa inicial.  Nem deu tempo de comemorar e Bernardo, aos 20 minutos, que usa a camisa 31 empatou. Para a alegria do torcedor vascaíno ficar ainda maior, Carlos Alberto virou o marcador, aos 31 minutos! No intervalo a Imensa Torcida Bem Feliz somava mais TRÊS pontos na tabela de classificação e cantarolava o tempo todo no caldeirão.

         Veio o segundo tempo. Logo aos 5 minutos de bola rolando, André Ribeiro marcou o TERCEIRO gol. Aos TRINTA E TRÊS minutos o árbitro Eduardo Cordeiro Guimarães tentou estragar a festa marcando um pênalti duvidoso, na qual Anderson Costa converteu. De qualquer forma o numeral três que estava tão presente ainda estava em nosso favor. A arbitragem deu TRÊS minutos de acréscimos. Aos 47 marcou um pênalti a favor do nosso amado Vascão. Dedé cobrou e definiu o placar. Fosse ele um jogador qualquer os vascaínos mais místicos ficariam chateados por ter alterado o placar por 3 a 2, mas sendo ele o Mito, é mais do que justo que o numeral marque o dia para ele dobrado. Quatro mais dois é igual a seis, que é o dobro de TRÊS! Para concluir: Roberto Bombinha está quase cinco anos na presidência do Vasco. Um ano nos deu a Copa do Brasil e no outro o rebaixamento no Brasileirão. Nos outros TRÊS foi inerte! É com muito orgulho que escrevo minhas crônicas para TRÊS sites: Web Vasco, Unidos Vascaínos e Vascolina. Assinando essa matéria com TRÊS nomes: LUIZ CARLOS ROCHA.

Gostou? Então compartilhe!

Quem está nos visitando