Prof. Luiz Carlos Rocha

O PULO DO GATO!

 

O Vasco mostrou mais uma vez que é o time da virada! Venceu o Fluminense, no Engenhão por 3 a 2, com gols de Bernardo, Romário e Dedé. Descontaram para os tricolores Thiago Neves e Wellington Nem. O resultado garantiu uma vaga na final da Taça Guanabara. Agora é esperar o adversário que será definido no confronto entre o Botafogo e a Molambada.

Ao longo dos meus 41 anos de vida aprendi que o pulo do gato não se ensina. A velha máxima conta que a onça queria matar o gato, por ter inveja do felino de menor porte físico, mas com atributos peculiares importantes. Foi então que a onça se fingiu de amiga do gato e disse: “Seu Gato, podemos ser amigos? Somos felinos. Somos da mesma família e não tem porque brigarmos”. O gato retrucou: “Claro que sim!”

Depois de selar a paz a onça voltou a indagar o gato: “Seu Gato será que o senhor poderia me ensinar a pular? Seus pulos são tão elegantes!”. Cordial o gato disparou: “Sem problemas, começaremos as aulas de pulo agora mesmo”. Foi então que a onça aprendeu a pular como o primo mais franzino.

Um certo dia, quando a onça já sabia pular tão bem quanto o gato, resolveu mostrar as suas garras: “Seu Gato, agora que eu já sei pular muito bem, não preciso mais de você. E Tem mais, como sou mais forte, vou te matar (derrotar)”, comentou a ingrata onça!

Partiu para cima do gato. Correu e pulou. Ao notar que o gato estava em cima de uma árvore devido a um pulo infinitamente mais rápido e mais eficiente, revoltada a onça perguntou: “Mas o que é isso? Eu aprendi a pular, mas esse eu não sei”. O gato imediatamente, com seu charme e elevada sabedoria explicou:”Te ensinei a pular e correr. Mas sabia que eras falso e um dia poderia usar isso contra mim. Guardei na manga o principal pulo. O pulo do gato. Aquele que não se ensina a ninguém!”

Por muitas vezes escrevi que o Fluminense quer ser o Vasco e não é de hoje! Vide alguns jogadores que levaram para as Laranjeiras sem qualquer ética. Leandro Amaral, Conca, o goleiro Rafael e tantos outros. O mais recente foi Felipe, nosso maestro! Como se não bastasse, ainda levaram nosso gestor de futebol, o competente e cordial Rodrigo Caetano.

Vi também o Tricolor elaborar um terceiro uniforme na qual inventou uma faixa diagonal, que ficou ridículo. Nas arquibancadas enquanto a Imensa Torcida Bem Feliz sempre deu um show, a  pequenininha torcida tricolete que cabe dentro de um fusquinha tentava imitar, mas nunca conseguia obter êxito! A Força cantarolava: “ O senhor é Vascaíno e Vascaíno eu também sou...” Já a Yang bem baixinha, sem fazer nenhum barulho praticamente sussurrava: A bençao João de Deus...” Incrível como o Fluzinho quer ser o Vascão.

O senhor é o Poder Supremo. Um papa não tem poderes nem de longe parecido.  Quando o Vasco quebrou a barreira do preconceito colocando em seu plantel negros e operários (acho até que um afro-decendente que não torce para o cruzmaltino é ingrato), logo depois o Fluminense “convidou” negros e operários para também atuarem por lá, só que com uma diferença, escondido, usando o tradicional pó de arroz na rapaziada que suava e ao longo dos 90 minutos revelava a sua verdadeira raça.

Já naquele tempo a diretoria é formada por homens cagões que não assumiam suas atitudes. Uma coisa é certa. Estádio eles nunca nos imitarão. Aquele lixo que é as Laranjeiras, que cheira a mofo e mesmo sendo pouco maior do que um apartamento de dois quartos, sobra espaço, porque a torcida é pequena! São Januário já foi o maior estádio da América do Sul. É enorme e fica apertado para nossa torcida, que segundo Institutos idôneos de pesquisas é a terceira maior do Brasil (perdendo apenas para o povo do Gueto e para os Gambás, respectivamente). Além disso é o único clube do Rio de Janeiro a possuir uma casa deste porte.

Discordo quando o presidente Roberto Bombinha deixa nosso genérico mandar seu jogos por lá. Eles – assim como a onça – já mostratam a ingratidão em várias oportunidades. Ao meu ver, o Fluminense tem de ser ETERNAMENTE GRATO ao Vasco, pois se consegiu sair da lama foi graças ao ex-presidente Eurico Miranda.  Em 1999 o Fluminense era um time da Segunda Divisão ( no Campeonato Brasileiro). Em 2000, após uma virada de mesa, o Tricolor foi convidado a participar do Brasileirão daquele ano.

A referida competição teve inclusive de mudar de nomenclatura para não ficar tão escancarado. Apenas no ano em que os tricoletes foram convidados se chamou Copa João Havelange. O problema é que um clube sem o menor escrúpulo, tampouco ética se fingiu de morto e jamais voltou a disputar a Segundona (como deveria fazer).

E ainda se diz tetracampeão brasileiro! Fala sério! Em 1970 a competição era outra. O Brasileirão começou em 1971 (ano em que eu nasci), tendo o Vasco como o primeiro carioca a conquistar uma edição, em 1974. Na verdade apenas 1984 o Fluminense sagrou-se campeão. Pois 2010e 2012 não tem valor moral, porque um time convidado não pode ser campeão em outra divisão a qual ele não pertence!!!!! A única explicação que vejo para os torcedores insistirem em dizer que são tetracampeões é o fato do Vasco ter conquistado – sem convite – quatro edições: 1974-1989-1997-2000. Desta forma, mais uma vez o genérico quer a todo custo ser o original.

Nem competência para ter um cartola que virasse a mesa em 1999 tiveram. Eurico presidente do Vasco na época teve de fazer esse papel.

Como se não bastasse o cúmulo do absurdo os tricoletes querem ser o time da virada! Chega não é? É demais. Na partida de hoje, bastava o empate para que o Vasco fosse classificado para a final do Primeiro Turno. Bernardo, abriu o placar aos 24 minutos da etapa complementar. Mas Thiago Neves e Wellington Nem, empatou e virou, aos 32 e 34, respectivamente. Era a consagração tricolor ser o time da virada, ser o time do amor! Eis que veio a força de um Gigante, o pulo do gato. Romário (mais um que é nossa cria e o Fluzinho levou, o Romário de Souza Faria) deixou tudo igual aos 39. Dedé, aos 41 minutos mostrou não só porque é o mito, mas também que será um eterno ídolo da torcida vascaína e sobretudo que o Vasco é o verdadeiro time da virada, o verdadeiro time do amor. Marcou o terceiro gol fechando o caixão do adversário metido a besta!

Ao longo de alguns anos o Fluminense tenta ser o Vasco roubando tudo o que pode. Sempre defendi que o maior patrimônio de um clube é o torcedor. Jamais os tricolores que cabem dentro de um fusquinha serão como a Imensa Torcida Bem Feliz!  O capitão Nascimento – que veste farda preta e não tricolor – diria: Nunca serão!

         Para concluir a crônica de hoje gostaria de agradecer a todos os gatos da nossa torcida e também os gatos do time. Mostramos para as onças pintadas de verde, grená e branco que o pulo do gato elas jamais aprenderão! 

  

APÓS AS TODAS AS PARTIDAS DO VASCÃO EM MEU PERFIL DO FACEBOOK (QUEM QUISER RECEBER AS CRÔNICAS DE PRIMEIRA MÃO É SÓ ME ADICIONAR), E NOS SITES WEBVASCO (www.webvasco.com), VASCAÍNOS UNIDOS (www.vascainosunidos.com.br) E VASCOLINA (www.vascolina.tk) TEM A OPINIÃO DO JORNALISTA LUIZ CARLOS ROCHA. LEIAM! COMPARTILHEM E CURTAM! VASCAÍNOS UNIDOS JAMAIS SERÃO VENCIDOS. 

 

luizcarlosrochaO Prof. Luiz Carlos Rocha é o Jornalista responsável pelo Webvasco.com (26153 MTB/RJ) com pós-graduação em jornalismo esportivo, além de ser Fotógrafo profissional. Entre sua vasta experiência profissional, estão a Revista Amiga e o Jornal dos Sports. Você pode encontrá-lo no Facebook clicando aqui!

 



         Em apenas três parágrafos vou resumir a crônica de hoje. Aos vinte e TRÊS dias do mês de janeiro de 2013 o Vasco recebeu em São Januário o Macaé e venceu a partida por 4 a 2, com gols de Bernardo, Carlos Alberto, André Ribeiro e Dedé. Descontaram Michel e Anderson Costa. A mudança de postura vascaína não está no comando da equipe, pois como já afirmei mais de TRÊS vezes, Gaúcho não é um treinador para equipe principal do Gigante da Colina. Mas os resultados começaram a aparecer pelo trabalho da TRINCA Renê Simões, Mauro Galvão e Ricardo Gomes. A última vez que conquistou o Campeonato Carioca foi em 2003. Diante do futebol apresentado nas últimas TRÊS partidas (a despedida de Pedrinho, o jogo passado na vitória por 3 a 0 sobre o Boavista e hoje) o cruzmaltino é um dos TRÊS candidatos ao título, isto, porque, sempre torço para o time dos excluídos não ganhar nada!

         O jogo que começou com exatos TRÊS minutos de atraso parecia que era uma visão. Depois de TRÊS tentativas pelo lado esquerdo, o Macaé enfim conseguiu abrir o placar com Michel, aos 15 (que é múltiplo de 3) minutos da etapa inicial.  Nem deu tempo de comemorar e Bernardo, aos 20 minutos, que usa a camisa 31 empatou. Para a alegria do torcedor vascaíno ficar ainda maior, Carlos Alberto virou o marcador, aos 31 minutos! No intervalo a Imensa Torcida Bem Feliz somava mais TRÊS pontos na tabela de classificação e cantarolava o tempo todo no caldeirão.

         Veio o segundo tempo. Logo aos 5 minutos de bola rolando, André Ribeiro marcou o TERCEIRO gol. Aos TRINTA E TRÊS minutos o árbitro Eduardo Cordeiro Guimarães tentou estragar a festa marcando um pênalti duvidoso, na qual Anderson Costa converteu. De qualquer forma o numeral três que estava tão presente ainda estava em nosso favor. A arbitragem deu TRÊS minutos de acréscimos. Aos 47 marcou um pênalti a favor do nosso amado Vascão. Dedé cobrou e definiu o placar. Fosse ele um jogador qualquer os vascaínos mais místicos ficariam chateados por ter alterado o placar por 3 a 2, mas sendo ele o Mito, é mais do que justo que o numeral marque o dia para ele dobrado. Quatro mais dois é igual a seis, que é o dobro de TRÊS! Para concluir: Roberto Bombinha está quase cinco anos na presidência do Vasco. Um ano nos deu a Copa do Brasil e no outro o rebaixamento no Brasileirão. Nos outros TRÊS foi inerte! É com muito orgulho que escrevo minhas crônicas para TRÊS sites: Web Vasco, Unidos Vascaínos e Vascolina. Assinando essa matéria com TRÊS nomes: LUIZ CARLOS ROCHA.

Gostou? Então compartilhe!

Quem está nos visitando