Prof. Luiz Carlos Rocha

VASCO SE FU, MAIS UMA VEZ!

 

 

O Botafogo de Clarence Seedorf bateu o Vasco por 1 a 0, com gol de Lucas, no Engenhão a dez minutos para o fim da partida. Sedão e Cia fizeram o remelento cruzmaltino se fu mais uma vez! Resultado? Mais um vice-campeonato. O Alvinegro sagrou-se campeão da Taça Guanabara (Primeiro Turno) e garantiu vaga na final do Campeonato Carioca.

            Não vou desmerecer o título do Glorioso com aquele papinho que Carioca não interessa, que não leva ninguém a nada. Isso é frase feita por fracos que não tem argumento, tampouco conhecimento futebolístico. Claro que a competição supracitada não dá vaga na Libertadores. A premiação não é tão rentável. Mas vale lembrar, que além do Carioca ser o campeonato mais charmoso do Brasil, também dá confiança ao elenco e comissão técnica a conquista dele. Portanto, qualquer bom entendedor de futebol em sã consciência quer conquistar essa glamurosa disputa. Nós perdemos!

            Muitos jornalistas – alguns por não ter peito de escrever ou falar, outros por inexperiência e muitos por terem os rabos presos – não escrevem a realidade vascaína. O Gigante da Colina vive uma conturbada crise política, na qual alguns líderes não estão nem aí para ajudar o clube e sim pensando em favorecimento pessoal. Ou seja, não é política e sim politicagem! Com essa sacanagem toda o resultado refletiu imediatamente no setor financeiro do clube, que embola as suas dívidas a cada dia e mergulha cada vez mais no mar do individamento pleno.

            Como o bolso é o principal órgão do corpo humano – não me venham com discursos politicamente corretos de que isso? -  estamos com um tumor malígno. A evolução deste câncer foi assim: Roberto Dinamite foi o maior ídolo do clube de todos os tempos. Craque. Não tenho dúvidas disso. Um dia ficou velho para o esporte (como todo mundo fica) e teve de se aposentar, de pendurar as chuteiras. Como não sabia fazer mais nada na vida, se candidatou a vereador, pela cidade do Rio de Janeiro. Ganhou as eleições por força da torcida

            Cresceu o olho e logo veio como candidato a deputado estadual. Mais uma vez a Imensa Torcida Bem Feliz deu emprego ao ex-jogador. Enquanto isso, naquela época a frente do comando vascaíno tínhamos o imponente Euríco Miranda. Apesar de homem forte, os sócios estavam se dividindo a cada momento entre ele e o craque Roberto Dinamite que ganhava prestígio nos corredores. Depois de muita luta e fatos conturbados Carlos Roberto de Oliveira enfim assumiu a presidência do Vasco em 2008 como o Salvador da Pátria.

            Logo no primeiro mandato veio o inédito rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Está certo que até ali ele não teve culpa, mas já era para ter ligado o sinal de alerta. Em 2009, Roberto Bombinha montou uma excelente base. Não estou me referindo ao elenco. Escrevo sobre a base política, que resultou na escolha dos vices e diretoria em geral. Tinha muita gente honesta, e sobretudo a fim de trabalhar para tirar o Vasco do fundo do poço. Dentre tantos craques, tínhamos o Rodrigo Caetano ( hoje no Florminense).

            O resultado foi bom. Os patrocinadores voltaram. Conquistamos antecipadamente o Campeonato Brasileiro da Série B em 2009. No campeonato seguinte o décimo primeiro lugar. Em 2011 conquistamos a Copa do Brasil. E só não levamos a Copa Sul Americana (chegamos as quartas) e o Brasileirão (fomos vices, perdendo para os Gambás por apenas 2 pontos de diferença) por que o Cristóvão Borges era um burrinho com sorte, como ele mesmo entitulou-se num programa de esportes da TV Fla, leia-se Globo.

            De 2011 para cá o Vasco da Gama vem caindo de produção a largos passos. Perdendo jogadores importanmtes e renomados. Craques deixam o clube e pernas-de-pau chegam. Já escrevi isso em outra oportunidade, mas agora serei mais explícito. Roberto Bombinha é centralizador e gosta de aparecer. O que aconteceu foi que ele montou essa equipe competente em 2009, que conseguiu reerguer o Vasco no ciclo da bola. Fez o respeito, a democracia e o poder da conquista voltarem.

            Alguns dos seus “subordinados” estavam aparecendo mais do que o chefe. O que era natural. A figura de Roberto Bombinha era somente uma ficção. Como a abelha raínha que nada faz, apenas ganha a fama e liderança enquanto as operárias de fato fazem todo o trabalho. O que também deve acontecer na ALERJ. A diferença que lá é a Casa da Mãe Joana. O Vasco como não é, as pessoas cobram muito mais.

            O que fez o centralizador Roberto Bombinha? Demitiu alguns membros, afastou outros e principalmente deixou ir embora figuras que eram muito pertinentes a reestruturação vascaína. Por esta razão o Vasco vai de mal a pior. São inúmeros processos que tramitam na Justiça. Contas que não batem e o Conselho nada faz  para cobrar explicações e soluções. Até a água foi cortada! (ainda bem que no Clube do Gueto a conta de telefone no valor de R$ 2,00 que não foi paga gerou o corte no fornecimento do serviço, desta forma eles não podem nos sacanear).

            A realidade é que hoje o Vasco tem uma fraquíssima diretoria, uma comissão técnica fracassada e um time de merda! Enquanto muitos coleguinhas da imprensa ficam cheios de babaquices para informarem a realidade para o torcedor, eu LUIZ CARLOS ROCHA escrevo e digo a verdade. Não posso apunhalar o maior patrimônio do clube que é a torcida com notícias falsas, ou sequer relatar o que está de fato acontecendo. Tenho certeza que meu leitor a cada crônica indica meu texto para ficar a par do cotidiano do clube.

            Minhas linhas são traçadas com muita responsabilidade, apurando de fato os culpados para não ser irresponsável, tampouco injusto. Minhas palavras são cristalinas. Meu respeito ao torcedor é como amor ao próximo. Sempre estarei ao lado da torcida, SEMPRE! Por esta razão, tenho a máxima certeza que minhas crônicas estão sendo lidas e comentadas nas rodas de samba, nas mesas dos bares, nos escritórios e consultórios, nas praias, nas ruas... Se cada leitor compartilhar e espalhar as informações que posto, nossa torcida ficará cada vez mais bem informada e fortificada.  A cultura é fundamental no processo de amadurecimento e democracia.

            Depois de termos a vantagem do empate, chegamos até os 35 minutos da etapa complementar e levamos um gol de Lucas. Antes mesmo do paito final e o Botafogo sagrar-se campeão, ouvimos da torcida alvinegra: “Vice de novo!”, agora só me resta avaliar os jogadores em campo hoje (com todo respeito ao Fogão, um clube que tem a menor torcida do Rio, um Brasileirão apenas e nenhuma Libertadores não pode zuar ninguém!):

            Alessandro – Não serve nem para terceiro goleiro do Bangu, que dirá para o Vasco. Teve culpa no gol.

            Nei – desde que chegou nada fez, se for embora não fará falta.

            Dedé – o melhor zagueiro do Brasil. Um mito. Mas errou ao questionar a torcida o motivo que estava vaiando o treino nesta semana. Vaiou porque o torcedor não é burro e sabe que alguns jogadores estão jogando errado.

            Renato Silva – É uma piada.

            Thiago Feltri – Um dos piores laterais que eu já vi jogar. Era para ser banido do Gigante.

            Fellipe Bastos – Somente um time de bosta para acraditar no Bastos.

            Abuda – Preciso apenas da letra N para definir sua habilidade.

            Wendel – Não justifica seu salário alto. É de mediano para fraco.  

            Dakson- Ainda não tenho opinião formada sobre esse jogador.

            Pedro Ken – Quando chegou deu pinta de craque, mas foi só isso. Tem algumas partidas que ele assiste em campo como um torcedor de luxo.

            Bernardo – Teve alguns erros extra-campo contra o Vasco no passado, mas demonstra claramente que é vascaíno. Tem vontade, raça e talento. Merece vestir o manto sagrado.

            Romário – Jovem jogador, mas com talento, se tiver a cabeça no lugar vai longe.

            Carlos Alberto – Não vale a pena mantê-lo. Atua muito bem em uma partida. Quando joga o que sabe é o nome do jogo, mas em compensação  fica umas dez partidas atuando de forma terrível atrapalhando o time. Vide o gol inacreditável que perdeu e poderia ter dado um outro rumo a partida. Os atacantes na minha peladinha na Praia de Icaraí de toda quinta-feira não perdem um gol assim.

            Éder Luís – Chegaram chamando-o de neto do vento, devido a sua explosão. Chegou ao Vasco como um trem-bala, caiu de produção e poderia ter sido comparado apenas ao Metrô-Rio, mas hoje não passa de uma Maria Fumaça!  Tem de ir embora.

            Treinador Gaúcho -  Se eu fosse presidente do Vasco nem para treinar a equipe de futebol de mesa, o popular botão ele seria o treinador.

            Enquanto o Glorioso comemora o título com Seedorf, o Vasco amarga a perda com Se Fu. Parabéns ao Botafogo de Futebol e Regatas.

APÓS AS TODAS AS PARTIDAS DO VASCÃO EM MEU PERFIL DO FACEBOOK (QUEM QUISER RECEBER AS CRÔNICAS DE PRIMEIRA MÃO É SÓ ME ADICIONAR), E NOS SITES WEBVASCO (www.webvasco.com), VASCAÍNOS UNIDOS (www.vascainosunidos.com.br) E VASCOLINA (www.vascolina.tk) TEM A OPINIÃO DO JORNALISTA LUIZ CARLOS ROCHA. LEIAM! COMPARTILHEM E CURTAM! VASCAÍNOS UNIDOS JAMAIS SERÃO VENCIDOS. 

 

luizcarlosrochaO Prof. Luiz Carlos Rocha é o Jornalista responsável pelo Webvasco.com (26153 MTB/RJ) com pós-graduação em jornalismo esportivo, além de ser Fotógrafo profissional. Entre sua vasta experiência profissional, estão a Revista Amiga e o Jornal dos Sports. Você pode encontrá-lo no Facebook clicando aqui!

 



         Em apenas três parágrafos vou resumir a crônica de hoje. Aos vinte e TRÊS dias do mês de janeiro de 2013 o Vasco recebeu em São Januário o Macaé e venceu a partida por 4 a 2, com gols de Bernardo, Carlos Alberto, André Ribeiro e Dedé. Descontaram Michel e Anderson Costa. A mudança de postura vascaína não está no comando da equipe, pois como já afirmei mais de TRÊS vezes, Gaúcho não é um treinador para equipe principal do Gigante da Colina. Mas os resultados começaram a aparecer pelo trabalho da TRINCA Renê Simões, Mauro Galvão e Ricardo Gomes. A última vez que conquistou o Campeonato Carioca foi em 2003. Diante do futebol apresentado nas últimas TRÊS partidas (a despedida de Pedrinho, o jogo passado na vitória por 3 a 0 sobre o Boavista e hoje) o cruzmaltino é um dos TRÊS candidatos ao título, isto, porque, sempre torço para o time dos excluídos não ganhar nada!

         O jogo que começou com exatos TRÊS minutos de atraso parecia que era uma visão. Depois de TRÊS tentativas pelo lado esquerdo, o Macaé enfim conseguiu abrir o placar com Michel, aos 15 (que é múltiplo de 3) minutos da etapa inicial.  Nem deu tempo de comemorar e Bernardo, aos 20 minutos, que usa a camisa 31 empatou. Para a alegria do torcedor vascaíno ficar ainda maior, Carlos Alberto virou o marcador, aos 31 minutos! No intervalo a Imensa Torcida Bem Feliz somava mais TRÊS pontos na tabela de classificação e cantarolava o tempo todo no caldeirão.

         Veio o segundo tempo. Logo aos 5 minutos de bola rolando, André Ribeiro marcou o TERCEIRO gol. Aos TRINTA E TRÊS minutos o árbitro Eduardo Cordeiro Guimarães tentou estragar a festa marcando um pênalti duvidoso, na qual Anderson Costa converteu. De qualquer forma o numeral três que estava tão presente ainda estava em nosso favor. A arbitragem deu TRÊS minutos de acréscimos. Aos 47 marcou um pênalti a favor do nosso amado Vascão. Dedé cobrou e definiu o placar. Fosse ele um jogador qualquer os vascaínos mais místicos ficariam chateados por ter alterado o placar por 3 a 2, mas sendo ele o Mito, é mais do que justo que o numeral marque o dia para ele dobrado. Quatro mais dois é igual a seis, que é o dobro de TRÊS! Para concluir: Roberto Bombinha está quase cinco anos na presidência do Vasco. Um ano nos deu a Copa do Brasil e no outro o rebaixamento no Brasileirão. Nos outros TRÊS foi inerte! É com muito orgulho que escrevo minhas crônicas para TRÊS sites: Web Vasco, Unidos Vascaínos e Vascolina. Assinando essa matéria com TRÊS nomes: LUIZ CARLOS ROCHA.

Gostou? Então compartilhe!

Quem está nos visitando